O PODER DA FÉ

Imprimir

 

 

É com imensa alegria que volto a escrever para este conceituado Jornal, depois de alguns meses afastado por motivos de saúde. Leitores da minha coluna sabem que o tema central de meus artigos são as religiões, cujos dogmas e doutrinas são examinados com a lupa da Ciência e da pesquisa histórica, bem como com o auxílio da filosofia, psicologia, e outros saberes humanos.

Quem já leu algum dos meus artigos, deve ter percebido que não critico Deus e a fé religiosa, mas o que foi dito sobre Deus e as ideias religiosas, muitas das quais extremamente perigosas para o crente e para a humanidade.

Só para lembrar, a
Santa Inquisição, o casamento infantil na Índia, a mutilação genital de meninas, e os ataques terroristas praticados por muçulmanos radicais têm em comum as convicções religiosas, fundamentadas em livros chamados de “sagrados”, pois, segundo dizem os devotos, foram inspirados pela voz de Deus.

Embora as religiões tenham sido usadas frequentemente para incitar o ódio, o preconceito e a perseguição contra inocentes, por outro lado elas têm seu quinhão de utilidade e benefícios para quem crê e os que estão em volta. E talvez o maior contributo da religião seja o conceito de fé, isto é, a crença inexorável de que existe um Deus olhando por nós, e que atende nossos pedidos quando feitos com o coração limpo e piedoso.

Gostaria agora de falar sobre minha experiência com a fé no momento mais difícil que enfrentei na vida. Em outubro de 2018, dores no abdômen me levaram ao hospital, onde foi diagnosticado um tumor nos intestinos, com metástase no fígado.

Graças a minha fé, construída desde minha infância, em meio a um lar católico fervoroso, não senti medo da morte, nem achava que tudo estava perdido. Ao contrário, deixei tudo nas mãos dos médicos e de Deus. No fundo da minha alma, sabia que, de algum modo, forças extrafísicas estavam agindo em favor da minha cura.

Hoje, depois de seis meses submetido à quimioterapia, o tumor reduziu em mais de 70%. O próximo passo do tratamento será medicação oral, menos agressiva para o organismo, mas tão eficiente quanto a químio no combate à doença. Muitos acreditam que o câncer ainda não tem cura, mas milhares de pessoas em regiões diferentes do planeta são exemplos de que a fé é capaz de surpreender até os mais céticos.

A própria ciência tem, através de diversos estudos, comprovado o poder da fé nas curas “milagrosas” de pacientes que haviam sido desenganados pelos médicos. Portanto, é bom termos a ciência por perto, mas se você tiver fé, tudo fica mais fácil.