Jornal da Educação - JE ISSN 2596-223X - online -

Jornal da Educação-JE ISSN 2237-2164   impresso

Histórias da Educação

JORNAIS ESTUDANTIS (Dezembro/2009)

                                                                              *Juliana Topanotti dos Santos de Melo
 
 
 
Uma das formas de constituição e de expressão da cultura escolar, forjada pelos professores e alunos dentro dos estabelecimentos escolares, são os jornais estudantis. Publicações periódicas que refletem em seu conteúdo os acontecimentos e as vivências escolares.  Na década de 1940 passam a ser publicados no Colégio Catarinense dois destes jornais, denominados “O Colegial” e “O Mariano”. Estes surgem como estratégias para constituir e consolidar uma nova identidade escolar e utilizá-la como meio propagador da cultura institucional do educandário. Sempre sob a vigilância dos dirigentes e docentes, os alunos redigiam os artigos, cuidavam da publicação e da distribuição destes periódicos. Ambos os jornais tinham uma periodicidade mensal.
No jornal “O Colegial” era publicado textos diversos, tanto na sua forma, quanto no seu conteúdo. Poemas; crônicas; transcrições de discursos de alunos ou de autoridades locais; notícias da cidade, nacionais e também internacionais; notícias esportivas (principalmente aquelas relacionadas ao time do colégio: a Associação Desportiva Colegial); relatos de viagens e passeios; resenhas de livros, etc., são exemplos de textos encontrados neste jornal. Nas páginas desta publicação estudantil era retratado o cotidiano do colégio, bem como as notícias relativas aos êxitos profissionais dos ex-alunos mais ilustres. “O Colegial” consistia num veículo de comunicação de cunho mais cultural, literário e social.
Em 1945, alunos integrantes das Congregações Marianas passaram também a editar um jornal: “O Mariano”. As Congregações Marianas constituíam órgãos religiosos de associativismo estudantil presentes nos estabelecimentos de ensino da Companhia de Jesus. Este periódico visava doutrinar seus membros, bem como expandir esta catequização através dos artigos de cunho religioso publicados no jornal. Desta forma grande parte de seu conteúdo possuía estudos, mensagens e reflexões evangelizadoras. Incluindo alguns artigos originalmente publicados em outras línguas e que eram traduzidos para serem publicados no “O Mariano”, todos versando sobre assuntos religiosos. Esta publicação possuía um alto tom prescritivo, descrevendo e orientando os congregados nos princípios que designavam como deve ser um virtuoso cristão. 
Desta forma, além de propagarem a cultura escolar do Colégio Catarinense, dentro e fora dos seus muros, os jornais estudantis serviam como um espaço de aprimoramento que complementava a intensa carga de estudos, que era ministrada nas disciplinas-saber. As atividades desempenhadas pelos alunos que participavam da confecção destes jornais contribuíam para o desenvolvimento de condutas e habilidades, que posteriormente seriam utilizadas em suas trajetórias profissionais. 
 
 
 
*Juliana Topanotti é psicóloga  e bolsista do CNPq.