Jornal da Educação - JE ISSN 2596-223X - online -

Jornal da Educação-JE ISSN 2237-2164   impresso

Psicologia e Educação

O Modelo de Escola que o Brasil Necessita (Abril/2011)

Penso que estou envelhecendo. Quando a pessoa começa a idealizar coisas que nunca mudam, acho que é porque tenta deixar um legado aos mais jovens. Coisas do tipo: “como fazer um mundo melhor”, “como buscar a felicidade”, por exemplo, servem para deixarmos uma tola sugestão para coisas que não mudam. 

Por mais seguro que seja viver hoje em dia (em comparação aos séculos passados), por mais fácil que esteja para se comprar a felicidade no shopping da esquina (felicidade não é comprar o celular da moda?), por mais que as pessoas se dediquem ao mundo (plantar uma arvorezinha combate chaminés! Você acredita que conseguiremos limpar o que sujamos?), sempre achamos que o mundo está piorando, que as pessoas são mais infelizes a cada dia e que a próxima epidemia nos levará para o caixão.
Não penso que posso mudar alguma coisa a mais do que a cor padrão de meu celular novo. Nem quero mais. Acho que é por isso que estou envelhecendo...
Mas penso em sugerir um modelo de escola que possa ser ao menos pensado pelos meus seis leitores que, como eu, ainda acham que plantar arvorezinhas ajuda a salvar o planeta das chaminés vorazes da China ou que as cotas de Carbono vão salvar a Floresta Amazônica (ainda existe?).
a Uma escola deve começar pelos professores altamente capacitados. Que ainda lutam para escrever corretamente nas suas avaliações (Olá Professora do Meu Filho!), que construam frases que sejam compreensíveis, que se preparam para as aulas, que utilizam ferramentas e informações do mundo digital confiável e atualizada. Professores que não copiam dos livros suas “relevantes informações” sem pesquisa complementar, já seriam vanguarda nas escolas brasileiras.
a Uma escola que conte com uma equipe multidisciplinar, com psicólogos, fonoaudiólogos, psicopedagogos, supervisor pedagógico e orientador educacional. Isso sem contar que sejam preparados, que tenham convênios com clínicas de neurologia, pediatria, endocrinologia e psiquiatria.
Distúrbios neuroquímicos causam problemas de conduta e de aprendizagem. Uma verminose não diagnosticada causa dificuldades para aprendizagem, bem como problemas no processamento da informação ou na sua forma de apresentação fazem o aluno patinar no seu desempenho.
a Uma escola que tenha constante treinamento, palestras e cursos de capacitação em suas áreas, com profissionais que instruam e instiguem os educadores a refletir e se reinventarem a cada dia, para termos educação de qualidade e com foco no progresso, no futuro e na felicidade dos nossos jovens. Professores bem capacitados seriam, neste sonho utópico, melhor remunerados, com salários e vantagens crescentes, proporcional ao desempenho de seus alunos, nas provas aplicadas por institutos de avaliação independentes, baseados em currículos mínimos mundiais.
a A escola do futuro deve começar por mais segurança na sua entrada de cada prédio, para que tragédias como a do Rio de Janeiro jamais se repitam neste país. Para comprometer nossa educação já temos professores despreparados além do aceitável e políticos que destroem o futuro de nossas crianças com seus desvios de verbas. Ou o Brasil pensa numa escola do futuro (que para nós seria adequar escolas ao presente) ou perderá o bonde da História de maior progresso para nosso povo. 
Estou sim, ficando um velho bem chato.