Jornal da Educação - JE ISSN 2596-223X - online -

Jornal da Educação-JE ISSN 2237-2164   impresso

Psicologia e Educação

Gestão de sala de aula: fundamental para o sucesso acadêmico dos Alunos - Parte II (JE 318)

Manter ênfase no comportamento, não na aprovação do professor. Evite dizer: “Eu gosto de como ...”, porque não importa o que o professor gosta... os alunos não precisam fazer coisas para agradar o professor, eles devem fazer as coisas porque são as coisas certas a fazer.

 

Olá, Leitores.
Conforme explicado na edição anterior, continuaremos neste espaço com um conjunto de dicas para um manejo de sala positivo e eficaz, que venha a gerar qualidade no aprendizado e aulas de qualidade. Estas dicas são trazidas pela Orientadora Educacional e Psicopedagoga Sandra Petry, que selecionou parte de seu curso de manejo de sala de aula para esta compilação de atitudes que transformam e aproximam a postura do professor do interesse dos alunos.

Linguagem positiva: assim que você diz a alguém para não fazer algo, a primeira imagem na cabeça da pessoa é o que você disse para não fazer. Pensemos em um exemplo: Não pense em patos usando chapéus. Você está pensando em patos usando chapéus? Pensado assim, para evitar o subconsciente intrometido, opte por uma linguagem positiva, em vez de regras de linguagem negativa. Por exemplo:  “Esteja equipado” em vez de “Não esqueça o seu lápis.” “Feche a porta silenciosamente” em vez de “Não bata a porta.” “Ouça o seu professor e colegas” em vez de “Não fale em sala de aula.” Use a palavra “consequências” em vez da extremamente negativa “punições”.

Iniciando a aula: Escreva as atividades do dia no quadro (no início da aula, na presença dos alunos e para eles) os objetivos para o dia, na sequência – o aluno conseguirá se organizar e participar da aula, sabendo o que vai acontecer. Divida o período em turnos ou aulas, com horários. A turma ajudará a controlar os horários e tarefas se souber antecipadamente o que vai acontecer primeiro, na sequência, depois do lanche e como terminará a aula.

Conclusão: Ao final da aula verifique com eles se os objetivos foram cumpridos, fazendo o fechamento do dia. Essas atividades darão sentido à aula. Volte à lista dos objetivos e faça, com eles o check out do dia, mostrando os objetivos que conseguiram alcançar e o que não foi possível e suas razões. Com um bom encerramento, ouvimos sobre suas experiências de aprendizagem na disciplina. Aproveite para informá-los daquilo que encontrarão na próxima aula.

Horário da semana: manter e consultar uma tabela de horários nas salas serve de base para professores e alunos. Todos podem consultá-la e se programar, aprendem a controlar o seu tempo, diminuindo a ansiedade.

Agenda mensal: outra boa ideia é organizar uma tabela (agenda) mensal de compromissos, como provas, datas de entrega de trabalhos, deixando-a exposta e disponível para consultas. Pode-se usar o mesmo modelo de uma folha de calendário, com cada dia dividido no número de aulas que terão. Os alunos aprenderão a verificar sozinhos a sua rotina, consultando o horário das aulas. Indicado também que se tenha um relógio em cada sala de aula.

Conseguindo a atenção da turma: Isso não exige gritar “Fique quieto, sente, a aula está começando” - na verdade, isso é quase certo um tiro pela culatra. Em vez disso, use técnicas, como ficar em silêncio e espere até que os alunos se calem uns aos outros e façam silêncio. Ou, se isso não é o seu estilo, redirecione a conversa do início de aula, lançando uma pergunta, comentário ou observação interessante: “Tem chovido por três dias seguidos! Alguém já foi brincar na chuva? “Depois de ter a atenção de todos, continue com plano de aula do dia. Durante a aula esteja preparado para cada atividade que se segue; tempo ocioso introduz apatia tanto em você quanto em seus alunos. Distribua um plano de estudos no início do semestre (ou bimestre) e cumpra com ele. Se você se desviar do plano, proporcione um programa de revisão para que os alunos sempre saibam onde estão no curso.

Estrutura organizacional: lembre-se de considerar o layout físico da sala de aula, que pode ter um impacto definitivo sobre o desempenho escolar e mau comportamento dos alunos. A “Scholastic” sugere organizar as mesas dos alunos para que você possa ver e fazer contato visual com cada um.. Pense em como você vai monitorar essa área e se o uso deste espaço vai exigir regras especiais.

Valorizar esforços e conquistas: Feedback sobre bons comportamentos: “Eu notei, Daniele, que você trouxe seu caderno e fez toda a lição!”. Manter ênfase no comportamento, não na aprovação do professor. Evite dizer: “Eu gosto de como ...”, porque não importa o que o professor gosta... os alunos não precisam fazer coisas para agradar o professor, eles devem fazer as coisas porque são as coisas certas a fazer.

Ritmos de aprendizagem - Recuperação Paralela: Nem todos os alunos aprendem no mesmo ritmo. Fique com aqueles que não entendem o assunto e verifique regularmente seu andamento, para ajudá-los a manter a velocidade e não se sentirem frustrados. Do outro lado, os alunos entediados podem causar problemas. Certifique-se de que você está desafiando os alunos. Tempo ocioso causa ansiedade.