O alto preço da incompetência das escolas (Maio/2009)

Imprimir
Evito a palavra culpa. Culpa existe em dois níveis: o mal deliberado, feito na intenção de prejudicar alguém por qualquer motivo e a culpa existente pela incompetência em se assumir posto ou função na qual você não domina.
 “... Mas Deixa comigo!” é uma frase que me causa arrepios. É a crônica da tragédia anunciada.
Todos bêbados: quem vai dirigir? Deixa comigo.O piloto sumiu? Deixa comigo!
Pois bem: quantos diretores das escolas públicas de Santa Catarina têm o devido preparo para exercerem a Gestão Escolar no campo administrativo e pedagógico? Poucos, raros, quase inexistentes.
No seu município? Nas escolas municipais e nas escolas estaduais, o diretor foi preparado para ser diretor? Não vale dizer que ele se preparou entrando no partido do político que se elegeu... Também não vale dizer que cursos de 40 horas preparam diretor, pois são precisos anos de estudos específicos.
O que isto causa? Vamos pensar:
A maioria dos diretores em SC é formada por cargos comissionados, ou seja: escolhidos por uma comissão da prefeitura, com critérios políticos e raramente, muito raramente, técnicos.
“Deixa comigo, não estudei para isso, MAS dou um jeito”, deve dizer o diretor, todo feliz.
A comunidade sabe. E sabe desacreditar dessa pessoa também. A escola sabe. E desacredita ou se coloca na oposição, ao menos em parte da escola. O aluno sabe. Desvaloriza a escola para sempre.
O preparo para ser diretor, segundo Perrenoud, envolve todo um conhecimento de Gestão de Competências, de Planejamento, de Visão Educacional atualizada. Quem? Hã? Deixa comigo!
A maioria dos comissionados que assume a direção de uma escola ou é professor ou especialista, quando não “estranhos ao quadro”, aqueles que muitas vezes nem raízes na Educação possuem.
Um professor não estudou gestão escolar para administrar e nem sente vergonha em assumir uma direção: sente orgulho... Poucos planejam suas aulas (quiçá um plano de administração ou um PPP), não há curso consistente de preparação para administrar pessoal, prédio, projetos, disciplinas, contatos com a comunidade, interdisciplinaridade e todas as necessidades que uma vida escolar pede ao diretor. Tantas competências necessárias para garantir aprendizagem e vivência. “Deixa Comigo”...
Ao ver o dinheiro do salário maior, a cobiça cresce. Morre a técnica. Técnica para ser diretor? Deixa comigo... Não surge a culpa, nem a vergonha.
Quantos diretores das escolas interditadas pediram exoneração?  Admitiram incompetência e pediram desculpas à comunidade? No Japão, fariam Hara Kiri, para lavar a honra.
 “Deixa Comigo, eu assumo!” Invadiram a escola, bateram na aluna... Deixa com o Diretor.
Chamaram a polícia, pais? Ah, a vítima pediu para não chamar. Ou seja: até uma aluna zonza,com um racho na cabeça convence a diretora em alterar os procedimentos mínimos de proteção e disciplina.
O banheiro imundo e fedorento, a cozinha vazada, o forro podre, culpa dos alunos que destroem?
Quem destruiu a Educação Pública antes?
 Lembrem-se: a culpa ou é do malvado ou do incompetente. Ou os diretores deixaram tudo apodrecer por malvadeza (duvidem!) ou não viram. Foram INEPTOS. A escola apodreceu em um dia? Um mês?
Quanto tempo um banheiro fica naquele estado? Quanto tempo o diretor não entrou e fiscalizou? A sala pichada, a luminária quebrada, os ventiladores tortos loucos para cair e decapitar um aluno.
Tem leitor que deve estar dizendo: “fácil falar... de longe é bom criticar”.
Sim, eu ADORO, do conforto de minha sala (limpa, organizada e silenciosa), criticar os diretores “deixa - comigo”... aqueles que, por uns trocadinhos, jogam fora a autocrítica e se acham capazes de administrar uma escola até ela cair materialmente, já que pedagogicamente a escola pública caiu faz tempo. Eu não estudei para administrar escola. Nem faria melhor. Só não assumiria, jamais, por dinheiro nenhum, aquilo que não poderia fazer com competência. É base ética de qualquer profissão.
Por que a Escola permite a incompetência e a política do “deixa comigo”?
Podem criticar sem medo: técnico pedagógico (?) no lugar de supervisor e orientador (ou não tem habilitação ou recebe a metade pelo serviço)? Deixa Comigo. Diretor sem curso? Deixa comigo.
Aluno formando e analfabeto? Escola podre e abandonada? Deixa comigo.
Culpa. Materializaram o substantivo.  Abstraíram o sujeito.