Jornal da Educação - ISSN 2237-2164

Data limite para submissão de artigos para 2ª Edição do JE Caderno Científico é 25/03/2019
O JE Caderno Científico -  Os artigos, resenhas e relatos de experiência podem ser enviados até 25 de março de 2019. A primeira edição da revista digital catarinense circulou em agosto de 2018, sob a coordenação cientifica do professor Doutor Norberto Dallabrida. A segunda edição no primeiro... Leia Mais
Brasil é o país que menos valoriza o professor. China é o que mais valoriza.
Pesquisa de opinião realizada pelo Instituto Nacional de Pesquisa Econômica e Social da Inglaterra (National Institute of Economic and Social Research) para a Fundação Varkey, com mais de 35000 adultos, com idade entre 16 a 64 anos e mais de 5500 professores ativos, apontou que o Brasil é o país... Leia Mais
MEC homologa Diretrizes Curriculares para o Ensino Médio
As diretrizes trazem duas regulamentações importantes: aumentam para três mil horas o curso, tornam opcional o oferecimento de educação a distância e estipula a obrigatoriedade de oferecimento de mais de um itinerário formativo, em áreas distintas, em cada município. O ministro da educação,... Leia Mais
Jornais escolares estudantis
  A criação de jornais escolares produzidos por estudantes ou pelo corpo pedagógico das escolas surgiu na Europa, a partir da primeira década do Século XX. Um dos primeiros educadores a utilizar o jornal escolar foi o belga Jean-Ovide Decroly, no ano de 1909, quando editou em seu... Leia Mais
Projetos de filosofia provocam a transformação ética e estética de alunos e da escola
  Professor de filosofia, Alexandre Marques de Jesus : "Abrimos essa janela de possibilidade, motivamos nossos alunos a serem propagadores de debates, círculo de palestras, ação social, motivação e automotivação afinal política e estética são questões humanas, num clamor de solidariedade, escuta... Leia Mais
Pesquisa aponta que somente 67% do tempo de aulas é usado para a atividade de ensino e aprendizagem
  O Mapeamento “Profissão Professor” mostra que, na percepção de 69% dos professores brasileiros, dar mais oportunidades de qualificação aos docentes é a medida mais eficaz de valorização desses profissionais. A melhoria da remuneração aparece na segunda posição com 62%. Na mesma pesquisa foi... Leia Mais
SUICÍDIO: Debater, conhecer para prevenir
O suicídio é a quarta maior causa de mortes entre jovens de até 30 anos. É crescente o número de casos de suicídio entre adolescentes, até mesmo antes dos 15 anos (mais raro em outras décadas). Nos consultórios, houve um aumento expressivo de adolescentes com ideações suicidas. Nas escolas,... Leia Mais
Escola com doutrinamento de que partido?
  Os professores estão no centro das discussões no Brasil. Desde o momento em que o candidato do PT mudou sua estratégia de marketing, colocando-se como um candidato professor que seria a alternativa a um candidato militar fascista, a radicalização da eleição para presidente foi para o pátio da... Leia Mais
prev
next

Carga horária máxima de 44 horas e fim do contrato por “Termo”

Joinville - A lei Complementar nº 481, publicada em 20 de julho de 2017, concedeu reajuste de 4% nos vencimentos, gratificação, estabeleceu carga horária máxima de 44 horas semanas e decretou o fim do contrato “por Termo” para os professores da rede municipal de ensino.
Além do reajuste de 4% (1% ao mês, de agosto a novembro) a Lei determinou o cumprimento de carga horária máxima de trabalho de 44h semanais e o fim da contratação de professores efetivos para substituição por “Termo”.
Os 2322 professores efetivos, mesmo que tenham carga suplementar, poderão ter carga horária máxima semanal de 44 horas. A medida já estava prevista no Art. 42, do Estatuto do Servidor e agora foi regulamentada e implementada.
As modificaçõess iniciadas no mês de agosto pela Secretaria de Educação atingiram 250 professores efetivos, que trabalhavam com 269 contratos por “Termo”, uma antiga reivindicação da categoria.

O valor da hora/aula suplementar foi estipulado de R$ 15,59 sem a incidência de outros acréscimos. Os 250 professores do quadro do magistério que tiverem interesse em continuar ministrando aulas excedentes, já estão recebendo estas aulas como carga suplementar.
A principal vantagem é que estes professores terão os mesmos benefícios dos 134 ACTs com contrato pela CLT e não terão as faltas por tratamento de saúde descontadas.
Segundo o Secretário Roque Mattei, a medida resultou de acordo com o Sindicato e é mais uma maneira de melhorar as condições de trabalho dos profissionais da Rede.
A medida se soma a outras implementadas recentemente. No início do ano, foi autorizada a prorrogação, até o final do ano letivo, dos contratos de professores ACTs que atuam em sala de aula, mesmo que o período do contratação exceda os dois anos. A implantação de hora-atividade para os professores da educação infantil gerou mais de 100 vagas para professores efetivos.

Encontre-nos Facebook

Please publish modules in offcanvas position.