Jornal da Educação - JE ISSN 2596-223X - online -

Jornal da Educação-JE ISSN 2237-2164   impresso

IDEB 2011- Rede estadual de SC continua em primeiro


Brasília -  A rede estadual do Estado de Santa Catarina continua a ter o melhor IDEB-Índice de Desenvolvimento da Educação Básica  do País, com 4,0 (meta para 2013), no terceiro ano do ensino médio. O segundo melhor é o do São Paulo, com 3,9. 
A maior parte dos municípios catarinenses também está entre os com maiores índices. Alto Bela Vista tem o melhor índice do Estado nas séries iniciais (7,4) e, nas séries finais, São José do Cerrito (6,4) é o maior IDEB. Timbó, com  6,7 está na 15ª possição nas séries iniciais. Massaranduba (6,6) e Mafra (6,6) seguem três posições abaixo.
Massaranduba (5,8), Rodeio (5,8), Mafra (5,6), Timbó (5,6), Jaraguá do Sul (5,4) e Joinville (5,4) são os melhores índices nas séries finais dentre as escolas da região de atuação do Jornal da Educação. Os resultados podem ser consultados em http://ideb.inep.gov.br/resultado/resultado/resultado

Brasil está estagnado
O IDEB 2011, divulgado pelo Ministério da Educação (MEC) neste mês de agosto, mostra que o Brasil está praticamente estagnado em educação. 
Dias após a divulgação, o ministro da educação, Aloizio Mercadante, anunciou que pretende mudar a fórmula de cálculo do Ideb do ensino médio, utilizando a nota do ENEM em vez da Prova Brasil.  
Nos primeiros anos do ensino fundamental,até 5ºano, houve um pequeno desenvolvimento. Levando em conta o desempenho de todas as escolas, o País saltou, de 2009 para 2011, de 4,6 para 5. 
Na rede pública, a nota foi de 4,4 para 4,7. Nos anos finais do ensino fundamental, a média geral passou de 4,0 para 4,1 e na rede pública, a pontuação foi 3,7 para 3,9.
Dados detalhados desse indicador, porém, mostram que os alunos não aprenderam mais português e matemática - a proficiência cresceu somente 0,22 pontos. A redução da reprovação e evasão é que apontaram para a progressão. 
No ensino médio, o Ideb foi de 3,6 para 3,7 na média geral (meta 3,7) e permaneceu em 3,4 na rede pública (meta 3,4). Nesses anos, houve uma piora em nove Estados e no Distrito Federal. O objetivo do governo é chegar a 5,2 em 2021. 

Substituir por ENEM
O MEC pretende substituir o atual teste de português e matemática, a Prova Brasil (ou Saeb)- em que a nota nacional ficou estagnada- pelo ENEM, em cujo desempenho dos alunos melhorou.
O ministro e o presidente do INEP, Luiz Claudio Costa negaram que é uma tentativa de maquiar o déficit de aprendizagem no ensino médio,  argumentando que o problema é que o Saeb segue critérios estatísticos. Do total de cerca de 2 milhões de alunos do 3ºano do EM, 69 mil fizeram as provas do Saeb em 2011 e 1,5 milhão participaram do ENEM.