Jornal da Educação - JE ISSN 2596-223X - online -

Jornal da Educação-JE ISSN 2237-2164   impresso

Participação dos pais pode diminuir crise da escola pública

     Blumenau/Joinville - A coluna Histórias da Educação do mês de abril registrou que a massificação da escola pública levou à perda de sua qualidade, acrescentando que “em boa medida devido à desvalorização dos professores no mercado de trabalho” e  registrava ainda que a imprensa, no início deste ano, noticiava a crise do Colégio Pedro II, de Blumenau. 

     Localizado no centro da cidade, um dos três primeiros colégios públicos a oferecer ensino secundário em Santa Catarina está em crise,  mesma situação enfrentada pela EEM Governador Celso Ramos, de Joinville, e dezenas de outras em todo o Estado.
A diminuição do número de alunos provocou redução na carga horária de alguns professores que tiveram que procurar outras escolas para complementar a carga horária.

     A “Celso Ramos” chegou a ter mais de 2010 alunos somente no ensino médio, começou a perder estudantes com a implantação das fases, no ano de 2000. Em 2001, o colégio foi incluído no programa denominado Escola Jovem e por conta disso, seus 430 alunos do ensino fundamental foram transferidos para escolas próximas. Sem o ensino fundamental, deixou de receber verbas federais como o Dinheiro Direto para a Escola e a merenda escolar, entre outras.

     Em 2002, com o novo governo, o projeto Escola Jovem foi descontinuado e, nem mesmo a inclusão do ensino médio como nível de ensino obrigatório, declarado em 2003, mudou o rumo da crise.

     “A crise já está passando, conseguimos recuperar muitos alunos. Fizemos algumas melhorias na estrutura e no pedagógico e os alunos voltaram”, assegurou a Diretora de Ensino Fundamental do Pedro II, Rita de Cássia Sant’Ana.

EM nos bairros

     A implantação gradativa de turmas de ensino médio diurno na maioria das escolas dos bairros e a aprovação de uma lei federal proibindo o trabalho formal para menores de 16 anos, são apontadas como outras causas para a queda da procura por vagas nas escolas localizadas nas regiões centrais, principalmente não períodos vespertino e noturno.

     Por outro lado,  tradição de levar os filhos pela manhã para as escolas e na crença empírica de que aprende-se mais pela manhã, também contribuíram para a queda drástica da procura por vagas nas escolas da área central das cidades preferem manter seus filhos em escolas particulares.  Além disso, muitos pais preferem matricular todos os filhos na mesma escola para que os maiores acompanhem os menores.

Retrato da crise

     Durante as férias escolares, o busto do Governador Celso Ramos, de bronze, foi roubado do pedestal localizado no pátio da escola que leva seu nome. Nos primeiros dias de aula, a bomba d’água também foi roubada.

     A nova diretora, a professora Karla Koerner Abumanssur  chegou à escola e começou os preparativos para atender aos 1406 estudantes matriculados nas três séries do ensino médio e no curso de Magistério, para o ano letivo de 2007. Mas muito dinheiro público e energia pessoal investidos nesta infra-estrutura foram desperdiçados, porque  189 dentre os matriculados, nunca compareceram às aulas. O Ano letivo começou com professores procurando outros estabelecimentos para complementar a carga horária.

     Durante a primeira semana de trabalhos, a nova diretora, os professores e as equipes pedagógica e administrativa reuniram-se para discutir a situação da escola e estabelecer estratégias para diminuir a evasão escolar (e/ou transferências), já que a quantidade de alunos era insuficiente inclusive para ocupar toda a estrutura física e humana da escola, mesmo no período matutino, no qual a procura é maior.

     No final do primeiro bimestre, computadas as 91 transferências e os 189 registros, a escola totaliza 1126 alunos: 907 estudantes no ensino médio e 219 no curso de magistério. O que pode representar, oficialmente, uma evasão na ordem de 22%.

     Na recontagem de alunos, uma turma de segundo ano matutino precisou ser suprimida. Outros permanecem excedentes na escola.No período vespertino, as instalações são ocupadas por estudantes de outras escolas estaduais que estão em reforma.  Pouco mais de cem alunos do próprio colégio estudam no vespertino. No período noturno, boa parte dos estudantes é do curso de Magistério.

Na Internet

     No feriado do dia 21 de abril, um sábado, a EEM Celso Ramos abriu as portas para realizar, sob a coordenação da APP e dos professores de Educação Física, o 1o Torneio Interno. As trinta equipes de alunos inscreveram-se nas competições de vôlei misto, basquete e futebol de salão, gratuitamente. O evento festejava  a nova pintura das quadras, feita e financiada pela nova diretoria da APP, eleita em Assembléia Geral, um mês antes.

     A nova diretoria da APP estabeleceu um cronograma de atividades e a primeira ação, de pintura das quadras, teve início por volta do dia 10 de abril.  No dia 21, enquanto a bola rolava, foram vendidos lanches e refrigerantes para os atletas. Inicialmente o dinheiro seria para reembolsar o investimentos dos pais na compra do material, mas a renda de cerca de R$ 300,00 também foi doada para a escola.

     A pintura das quadras foi a primeira de uma série de atividades a serem implementadas dentro do cronograma de melhorias na estrutura física da escola. Após o torneio, iniciaram a pintura da sala ambiente de Filosofia.

     Noutra vertente, alguns membros da APP estão confeccionando a página eletrônica da escola, onde professores, diretoria, APP e alunos terão seu espaço, podem interagir e inclusive dar sugestões de melhorias para tornam a escola ainda mais atraente e confortável.

     A realização do torneio incentivou a professora Claudete Farneda, de Filosofia a comparecer para pintar as carteiras de sua sala ambiente e o professor de Matemática Carlos Pedro Vota, que está excedente na escola, a cuidar dos jardins. Para isso ele trouxe de casa plantas e ferramentas no próprio carro.

     Tão logo termine as ações em andamento, a nova diretoria da APP, sob a presidência de Vicente Valdemar Borsuk estabelecerá um novo cronograma, o de contato com os estudantes, para desta vez, colher deles as sugestões a serem implementadas nas próximas semanas.