Jornal da Educação - JE ISSN 2596-223X - online -

Jornal da Educação-JE ISSN 2237-2164   impresso

Aluna de Içara conquista Prêmio Nacional

Içara – A aluna Joice Zilli da Silva, estudante da 4a série na Escola de Educação Básica Antônio Colonetti, conquistou o primeiro lugar na categoria Artigo de Opinião, do Prêmio Nacional Escrevendo o Futuro, promovido pelo Itaú Social, em parceria com as Secretarias de Estado da Educação. Doce Içara com Sabor Amargo é o título vencedor do artigo que concorreu com mais seis finalistas de todo o País.

 

A solenidade de premiação ocorreu no dia 4 de novembro, no Memorial da América Latina, em São Paulo, com a presença do ministro da Educação Fernando Hadadd, integrantes da Academia Nacional de Letras e escritores renomados.

A estudante recebeu além do troféu, um computador e mais R$ 30 mil em poupança para garantir o seu acesso ao ensino superior.

A coordenadora do Prêmio Escrevendo o Futuro na SED explica que o concurso aconteceu em dois períodos: em 2005 professores de Língua Portuguesa foram capacitados para executar o projeto e em 2006 foi feito um trabalho com os alunos, envolvendo entre outros pontos a pesquisa de campo.

O Prêmio abrange as categorias Artigos de Opinião, Poesia e Memória. O trabalho de Joice trata da polêmica em torno da instalação de uma mineradora de carvão no município de Içara, conhecida nacionalmente como a capital do mel.

"O que mais gostei no meu trabalho foi a comprovação, durante pesquisa entre os moradores, que 70% são contra a instalação da mina e apenas 30% a favor", afirma a estudante.

 Para escrever a crônica, Joice e seus colegas de sala de aula visitaram diversos lugares, alguns em estado de depredação do solo em função das minas de carvão, uma das fontes da economia do sul catarinense. Também pesquisaram a situação das águas dos rios da cidade e de municípios vizinhos.

A escola Antônio Colonetti também recebeu prêmios: doze computadores, acervo para a biblioteca e R$ 3 mil.

Trecho do Artigo Doce Içara com Sabor Amargo:
"Na minha opinião a localidade de Santa Cruz tem muitas famílias que vivem lá há anos, trabalhando na terra, tirando o seu e o nosso sustento e precisa permanecer na terra, sem que haja a instalação da mina, continuar com a terra fértil, cheia de plantações, água pura, potável, com pessoas que a amam, será a melhor situação".