Jornal da Educação - ISSN 2237-2164

Reportagens

Drogas - Usuários se iniciam por volta dos dez anos

Utilizadas desde a pré-história para provocar sensações prazerosas ou alívio de sofrimento, as drogas são até hoje um dos grandes males da sociedade. Os efeitos do uso afetam crianças, jovens e adultos. No rastro do vício, vem a violência contra a sociedade, roubos, latrocínio, assassinatos e, em primeiro plano, a desestruturação familiar.

O uso de drogas está cada vez mais precoce. Crianças de 10, 11 anos muitas vezes incentivadas por publicidade atraente, amigos ou os próprios pais, que consideram - tudo bem beber, é só um golinho, uma tragadinha - experimentam pela primeira vez a bebida alcoólica ou o cigarro, ainda na primeira infância e dentro de casa.

Entre outros motivos da experimentação das drogas está a curiosidade, diversão e prazer, problemas com a auto-estima e rebeldia.

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar - PENSE, realizada em 2009 com estudantes da 8ª série ou 9º ano do ensino fundamental, revela que 71,7% dos escolares já experimentaram bebida alcoólica; 24,2% já fumaram cigarro e 8,7% já usaram drogas ilícitas, pelo menos uma vez.

Não somente o álcool e o cigarro, mas inalantes, solventes, cocaína, crack, ecstasy, chá de fita, anfetamina, maconha, LSD, heroína, entre outras substâncias podem iniciar ou tornar o indivíduo dependente.

Estudiosos defendem a existência de uma predisposição genética em 50% da população para o vício em álcool e cigarro. Estatisticamente, os filhos dos tóxico-dependentes são oito vezes mais propensos a se tornarem dependentes do que os filhos de pais não viciados.

Na ciência médica, a predisposição genética é avaliada para correlacionar a possibilidade de desenvolvimento de certas doenças em um indivíduo e não em outros. No início da década de 1990 falava-se em cerca de 23% da população ter predisposição ao vício de modo geral.

Vale esclarecer que um indivíduo com uma predisposição para a esquizofrenia tem um risco maior de manifestar esse transtorno psicótico do que a população em geral. No entanto, isso não significa que ele ou ela se tornará um.

No momento em que tiver contato com as drogas, a possibilidade será aumentada, mas somente sucumbirá se não estiver forte psicologicamente para superar a fraqueza e seguir a vida sem desenvolver a dependência. 

 

Os sintomas da dependência: 

Três ou mais sintomas no mesmo período de 12 meses podem ser sinais de dependência:

- Redução do efeito, mesmo com o uso contínuo, da mesma quantidade da substância;

- Sinais de abstinência quando há a interrupção ou diminuição do consumo;

- Busca cada vez mais freqüente pela droga, consumida em maiores quantidades e por período mais longo do que o usuário desejava;

- Desejo persistente ou esforços mal sucedidos quando a pessoa tenta reduzir ou controlar o uso;

- Abandono das atividades sociais, ocupacionais ou recreativas, em virtude do uso;

- Sensação de alívio pelo aumento da ingestão da droga;

- Reinstalação do uso após a abstinência.


Sinal amarelo para o comportamento

NA ESCOLA -  O aluno pode apresentar queda no desempenho escolar, passa a se relacionar com novos grupos de amigos, se afasta da família, têm comportamento agressivo, não consegue manter uma conversa longa, dorme fora de casa, na escola ou fica longe por muito tempo e não sabe explicar exatamente o porquê de seus novos hábitos e atitudes.

Os usuários de drogas geralmente possuem um comportamento semelhante ao dos demais membros “da tribo” que frequentam. 

O professor, que mantém contato direto com a criança ou adolescente, consegue perceber algumas mudanças em seu comportamento, muitas vezes imperceptíveis pelos pais, por ficarem muito tempo longe dos filhos, por desconhecimento ou por desinteresse em sua vida e rotina.

NA FAMILIA - Os familiares podem perceber o desaparecimento de objetos pessoais de casa e os pedidos extras de dinheiro. Nesse momento, é importante manter uma conversa franca e aberta, o que é mais fácil se, em casa, os pais já estimularam o diálogo desde a infância.

“O primeiro passo, é comentar sobre a mudança observada e sobre a hipótese do uso de drogas. O filho ou aluno, naturalmente, vai negar como todos. Como vivem a fase da onipotência juvenil, eles acreditam que podem parar quando quiserem e que nada vai lhes acontecer de mal”, explica a especialista em Dependência Química, Roseli A. Consolaro Nabozny, coordenadora da Comunidade Terapêutica Essência e Vida, de Araquari.


Os tipos de Drogas

 

Droga

Como é consumida

Efeitos Negativos

Depressores

Álcool (cerveja, vinho, cachaça, coquetéis, etc)

Por via oral

Consumido em excesso, causa tonturas, distúrbio do sono, náusea, vômito e ressaca. Quem bebe pode se tornar agressivo e violento, com a fala confusa ou incompreensível. Quem dirige depois de beber corre sérios riscos de sofrer e provocar acidentes, porque o álcool deixa a pessoa com os reflexos comprometidos.

Inalantes/ Solventes (cola de sapateiro, cheirinho da Loló, éter, lança perfume, removedores, buzina, isqueiro, cloreto de metileno)

Inalada, aspirada

Inalação profunda ou repetida podem causar, desorientação, perda de controle e, às vezes, queda de pressão, convulsões, desmaios e coma. É possível ocorrer o sangramento e feridas no nariz, perda de coordenação muscular, olhos congestionados. O uso simultâneo do álcool pode levar à arritmia cardíaca e provocar a morte.

Benzodiaze – Pínicos (ansiolíticos, tranqüilizantes, remédios para dormir)

Por via oral, em pílulas ou dissolvidos em bebidas

Dependência; apagamentos com perda completa de memória; risco de coma e parada respiratória; tonturas e desorientação; náuseas; dificuldades com movimentos e com a fala.

Estimulantes

Cocaína (coca, pó, branquinha, farinha)

Cheirada, dissolvida em água e injetada ou misturada na bebida

A cocaína aumenta a pressão arterial e o batimento cardíaco. Altera o ritmo respiratório; faz as pupilas dilatarem e aumenta a temperatura do corpo. Causa irritabilidade e ansiedade, perda de apetite e apoplexia. Gera dependência e pode levar à morte por overdose. Riscos de HIV, hepatite e outras moléstias infecto/contagiosas por uso de seringas.

Crack e merla (pedra)

Aquecidos e fumados com cachimbos

O efeito da droga leva 15 segundos para atingir o cérebro e causar a fissura. As conseqüências são as mesmas da cocaína.

Ecstasy (Metileno - Dioxime Tanfe Lamine) ou Sextasy (mistura de Ecstasy e Viagra)

Êxtase, droga do amor, MDMA

Por via oral

Desencadeia distúrbios psiquiátricos incluindo pânico, ansiedade, alucinações, depressão e paranóia. Causa tensão muscular, náuseas, visão embaçada, tremores, suor, calafrios; desidratação, possivelmente desmaios e falência renal. Aumenta a pressão arterial e o batimento cardíaco. Perturba o apetite e o sono.

Ecstasy Líquido (GHB - ácido Gama - Hidroxibutírico)

Diluído em água ou álcool para beber.

Dificuldade de concentração, perda de memória e consciência, parada cardiorespiratória, diminuição dos reflexos e disfunção renal.

Chá de Chumbo (chá de fita)

Chá com materiais extraídos de pilhas ou fitas de vídeo

Os metais pesados, como o manganês, causam problemas neurológicos, febre e pneumonia; o mercúrio provoca lesão nos rins, tremores e paralisia; o chumbo destrói neurônios e causa perda de memória e convulsões, anemia, dores ósseas e abdominais.

Anfetaminas (benzedrina, dexedrina, remédios para emagrecer, “bolas”)

Por via oral, em tabletes ou cápsulas, inalada, fumada ou injetada na veia

Em doses pequenas, os efeitos incluem diminuição do apetite, dilatação das pupilas, aumento dos batimentos cardíacos, da freqüência respiratória e da pressão sanguínea. Em doses maiores, pode causar secura na boca, febre, transpiração, dor de cabeça, visão desfocada, tontura, perda do sono e do apetite. Doses maiores ainda provocam palidez, batimentos cardíacos ultra acelerados ou irregulares, tremores, perda da coordenação, irritação, ansiedade, paranóia, depressão, agressão, convulsões e até morte.

Herbal/ Efedrina (elementos presentes em remédios para gripe)

Por via oral

Aumenta o ritmo cardíaco e a pressão arterial; pode levar à apoplexia; ataque cardíaco; convulsões e morte.

Aluginógenos e outras drogas

Maconha (erva, haxixe, baseado, beck, marijuana)

Pode ser fumada ou ingerida

Aumenta os batimentos cardíacos, deixa os olhos vermelhos e a boca seca; prejudica a noção de tempo e espaço; afeta temporariamente a visão, prejudicando o mecanismo de rastreamento; prejudica a memória e a habilidade matemática. Pode causar ansiedade intensa, paranóia ou ataques de pânico, e desencadear processos psicóticos. Afeta a capacidade imunológica do organismo e, nos homens, diminui a produção de espermatozóides.

Tabaco (fumo)

Cigarro, charuto, cachimbo, toda a forma de fumar e inalar tabaco. Pode ser cheirado (rapé)

Dependência (vício); moléstias cardíacas e cardiovasculares. Câncer de boca, laringe, faringe, estômago, pâncreas e rins; enfisema e bronquite crônica.

LSD (Ácido Lisérgico Diethylamídico)

Tabletes tomados oralmente, ou em forma líquida (gelatinosa) colocado sobre os olhos

Causa elevação da temperatura do corpo e pressão do sangue; perda de apetite; sonolência e tremores. Pode provocar alucinações crônicas e desencadear processos psicóticos.

Heroína (cavalo, açúcar mascavo, dopa)

Injetada, fumada ou inalada

Deixa o usuário com a fala arrastada e as pupilas contraídas. Prejudica a visão noturna e pode causar vômitos (após o primeiro uso ou quando consumida em altas doses). Piora o desempenho sexual e diminui o interesse por sexo. Deixa a respiração difícil e arfante; a pele fica inchada e seca. Em altas doses, a heroína provoca a perda dos sentidos e morte por overdose.

PCP (Fenci Clidina - Pó de anjo, ozônio, combustível de foguete, pílula da paz, tranqüilizador de elefantes)

Por via oral, inalado, fumado ou injetado

Causa alucinações e atrapalha a coordenação motora. O usuário perde temporariamente a capacidade de sentir dor física; pode sofrer depressão, ansiedade, desorientação, medo, pânico e paranóia. Fica com o comportamento agressivo e violento. A droga pode causar ataques respiratórios.

Cogumelos (psilocibina)

Comidos, bebidos dissolvidos em chás

Causa aumento da pressão arterial, perda de líquido no corpo, náuseas e alucinações.

Ketamina (special K - anestésico para cavalos)

Bebida

Causa sonolência, taquicardia, confusão mental, perda de contato com a realidade e alucinações. Afeta as funções vitais do cérebro, sistemas respiratório e cardíaco. Associada ao álcool pode levar a parada respiratória e morte.

Anti-Colinérgicos (chá de lírio, trombeteno, saia branca)

Por via oral, chás ou engolindo vários comprimidos.

Causam confusão mental; delírios; alucinações que podem durar várias horas ou até dias; febre; ruptura da pele; aceleração dos batimentos cardíacos.

 FONTE: www.contradrogas.org.br

Referências
BRAUN, Ivan Mario. Drogas – perguntas e respostas. MH Editores, 2007.
BRESSER, Maria Helena. Contra as drogas: educação, prevenção, projetos de vida. Março,2011.
IBGE. Pesquisa Nacional de Saúde Escolar – 2009
Página Eletrônica da Associação Parceria Contra Drogas - www.contradrogas.org.br

Blog da Unidade de Pesquisas em álcool e drogas – UNIAD - www.uniad.org.br 

Please publish modules in offcanvas position.