Jornal da Educação - ISSN 2237-2164

Reportagens

Professor de podologia do IREI ministra cursos no México

Podólogo ministra as disciplinas de Introdução a Podologia e Supervisão de Estágio, do curso Técnico em Podologia do IREI. Adelcio explica que muitas vezes o podólogo precisa resolver problemas dos pés não solucionados, e em alguns casos, até mesmo agravados, pelo atendimento inadequado de pedicures. A única semelhança entre as duas profissões é trabalhar com o pé.

Joinville – O professor do IREI,  Adelcio José Cordeiro ministrou três palestras no 1º Congresso Internacional de Podologia Geriátrica, realizado no México, nos dias 3 e 4 de fevereiro, pela associação PEMAC - Podólogos del Estado de México, AC. Pioneiro  em podologia geriátrica no Brasil, num trabalho em conjunto com o médico geriatra Maurílio José Pinto, que trouxe a técnica da França para Curitiba(PR), o podólogo abordou os temas: pé vascular, doenças ungueais e métodos terapêuticos no pé do idoso. 
“As pessoas, por desconhecimento, procuram pedicure para tratar unha encravada, por exemplo. Mas é preciso lembrar que pedicure cuida apenas da estética dos pés. Somente o podólogo tem formação científica, técnica e instrumental para  identificar e tratar as doenças dos pés. Unha encravada é apenas uma das patologias.  E o tratamento, via de regra, é multidisciplinar. O podólogo trabalha em conjunto com médicos e fisioterapeutas, entre outros profissionais da saúde”, explica o podólogo e pedagogo.
Além do conhecimento científico, é preciso instrumentos devidamente esterilizados e técnicas próximas as de cirurgias, para fazer o tratamento adequados a cada tipo de doença dos pés. E é isto que os estudantes do IREI aprendem ao mesmo tempo que praticam nos pacientes que são atendidos no período vespertino com hora marcada (Fone 34228906)
 
 
Do Brasil para o mundo 
 
Mais de 320 podólogos de todo o mundo assistiram às palestras sobre podologia geriátrica do brasileiro, que levou na bagagem toda a prática adquirida desde 1996, quando iniciou o tratamento em pacientes idosos. 
O entupimento de artérias devido ao acúmulo de gordura, ao colesterol alto, diabetes, pressão alta e alimentação inadequada, aliados ao excesso de sal e sedentarismo são algumas das principais causas de problemas circulatórios que resultam no chamado Pé vascular no paciente idoso. A má circulação gera doenças que serão tratados pela equipe multidisciplinar, nela incluída o podólogo, profissional especializado que fará o tratamento propriamente dito, sempre seguindo a orientação de médicos e demais especialistas da saúde.   
Entre as doenças das unhas ou Ungueais no paciente idoso, as mais comuns são as Onicomicose – ou micose das unhas. Elas acontecem devido a uma diminuição da circulação periférica. Esta diminuição do aporte sanguíneo e da oxigenação nas pontas dos dedos, provoca queda das defesas do organismo. Mais susceptível à infecção por fungos, as unhas são um dos portões de entrada destas infecções. As unhas se apresentarão quebradiças, apresenta descolamento,  alteração de cor tanto para amarelada quanto escurecida e ainda maceração abaixo da unha.
A terceira palestra do professor do IREI foi sobre os métodos terapêuticos aplicados ao pé do idoso.  As diversas técnicas e instrumentais, equipamentos usados para diagnosticar e tratar as doenças dos pés e unhas dos idosos foram o tema da terceira intervenção do pioneiro em podologia geriátrica no Brasil.
Desde 1996, a prática o leva a aperfeiçoar-se no diagnóstico das deformidades ortopédicas do pé, que podem ser identificadas com o pedígrafo. 
O aparelho usado para identificar  pé cavo, pé chato, desalinhamentos e outras deformidades deve ser manipulado por um podólogo com formação adequada. Pois somente ele será capaz de identificar se trata-se de uma deformidades do próprio pé (extrínseco)  ou é decorrente de outras articulações do corpo como coluna e joelho. Uma vez identificado o problema, o podólogo indicará o tratamento adequado, que sempre será um tratamento multidisciplinar. 
“O podólogo pode trabalhar em conjunto com ortopedistas, endocrinologista, geriatras e outros profissionais da saúde, porque grande parte dos diabéticos, por exemplo, terão problemas nos pés”, esclarece o professor.
 
Pedicure x podologia  
 
Ao contrário do que muitos imaginam, o pedicure não tem nada em comum com o podólogo. Enquanto o primeiro cuida exclusivamente da estética do pé, o segundo cuida tão somente da saúde dos pés. “Não há nenhuma semelhança, porque o profissional de podologia, tem o conhecimento cientifico das doenças dos pés e das unhas”, reforça do podólogo. É o podólogo que trata da unha encravada, com uma única intervenção e curativos, em três a quatro dias a pessoa já estará usando sapato novamente. O podólogo vai tratar e indicar o tratamento adequado. Já o pedicure cuida não tem qualquer conhecimento científico e nem instrumental adequado para curar o pé”, acrescenta.
 
Unha encravada
 
A unha encravada é conhecida tecnicamente como Onicocriptose ou unha em cripta. O que significa que a unha está escondida embaixo da carne. “A unha pode encravar por diversas causas, entre elas o corte incorreto, aquele que tira o canto da unha, ou o corte em U. Ao retirar o canto ou o corte excessivo da unha, ocorre um ferimento no canto da unha que inflama e esta será a porta de entrada para uma infecção bacteriana. O primeiro sintoma é a vermelhidão. Em seguida vem a dor e o inchaço. O edema já caracteriza o processo inflamatório”, explica. 
A segunda causa, é a unha hipercurvada e a terceira é congênita.  A curvatura faz com que ocorra um atrito constante da pele com o canto da unha. Essa repetição provoca o rompimento da epiderme. Algumas pessoas nascem com má formação da unha e o tratamento para todas as causas é sempre a intervenção do podólogo.
 
Tratamento não invasivo 
 
Espícula Ectomia é uma técnica não invasiva, nova e moderna tratar estes paciente sem necessidade de anestesia injetável. “O podólogo consegue resolver perfeitamente o problema da unha encravada. Com materiais preparados. Com bisturis específicos, realiza os curativos até a cicatrização e em três ou quatro dias o paciente já consegue colocar o sapato fechado normalmente. Estes procedimento, quase cirúrgico, não é permitido a outros profissionais”, lembra o especialista. 
Além desta, o podólogo, dispõe também do Onicoorteses, um tratamento complementar para o problema das unhas curvadas.  A técnica exige ainda manutenções mensais e uso de equipamentos que resolvem o problema das unhas hipercurvadas, que encravam constantemente. 

Acesso restrito

Please publish modules in offcanvas position.