Jornal da Educação - JE ISSN 2596-223X - online -

Jornal da Educação-JE ISSN 2237-2164   impresso

Quem somos
Opinião do Leitor

Falando sobre os desafios dos alfabetizadores em tempos de BNCC

Por Reginaldo Silva é Supervisor Escolar

 

Homologada a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a Educação Infantil, Ensino Fundamental e para o Ensino Médio; iniciamos uma nova era na Educação Brasileira com inovações desafiadoras para todos os seguimentos.

Em particular para nós Alfabetizadores a Base Nacional Curricular trás algumas mudanças significativas:

1) Alfabetização deve ocorrer em até dois anos; prazo limite no 3º. ano com foco nas questões ortográficas

2) O Foco principal da Ação Pedagógica na Alfabetização são as especificidades da apropriação do sistema alfabético de escrita;

3) A linguagem é a forma de interação e o estabelecimento da centralidade nos textos; 4) O documento da BNCC mescla na Alfabetização a perspectiva construtivista e a consciência fonológica;

5) Os campos de atuação e a proposta de contextualizar as práticas de linguagem pelo multiletramento. Falando sobre o MULTILETRAMENTO; é uma das novidades da BNCC, pois amplia a maneira de pensar alfabetização, pois implementa textos multissemióticos e multimidiáticos e dá destaque principalmente as várias linguagens e aos usos dos recursos tecnológicos: ALFABETIZAÇÃO EM CONTEXTOS DE MULTILETRAMENTOS.

Sobre a redução do tempo da Alfabetização de três anos para dois anos temos que ter o entendimento que é apenas uma “Marca de Tempo”, pois já é sabido por todos que o letramento e o multiletramento são anteriores à inserção da criança na escola. Nesta “Marca de Tempo” de dois anos é importante estarmos atentos e lançar nosso olhar para as habilidades que o documento da BNCC que irá nos apoiar e facilitar o nossos trabalhos pedagógicos: O quê... E como planejar... Enfim, nestes dois anos de alfabetização o nosso desafio é fazer com que a criança assimile e construa o sistema de Escrita Alfabética para que ela de algum modo possa grafar, ler e compreender com alguma autonomia percebendo algumas regularidades ortográficas.

 

Para que a alfabetização realmente se consolide nestes dois anos; o papel do professor não é de um observador do processo, é sim, o mediador, o que irá da melhor maneira possível saber intervir para que todas as crianças possam vencer com tranquilidade seus conflitos visando à equidade, que pressupõe reconhecer que as necessidades dos estudantes são diferentes. Outro desafio não só para o seguimento do processo de alfabetização, mas para todos os seguimentos do processo da educação será a “Centralidade dos Textos”.

 

O desafio aqui, é como iremos inserir os textos que circulam nas culturas para dentro da sala de aula que faça sentido e significado para os alunos. Estudar um gênero textual ou produzí-lo não significa estar trabalhando uma pratica social, cabe ao professor ter a percepção de aproveitar bons momentos para inserir determinado tipo de texto; não somente porque faz parte do currículo. Uma boa dica para garantir trabalhos referentes à “Centralização dos textos” são duas Modalidades Organizativas:

 

Os Projetos e as Sequências Didáticas, pois em ambas cabem tudo: Objetivos, finalidades, para quem escreve e os propósitos, produção de textos em contextos férteis, seleção dos melhores gêneros textuais para cada etapa e oralidade, além da inserção dos elementos culturais da infância: As músicas, brincadeiras da infância, os jogos, boas literaturas, atividades de leituras e escritas em suas dosagens e outros.

 

É preciso planejar e criar boas Zonas de Desenvolvimento Proximal; um conceito muito importante para nós educadores; quando o outro potencializa em mim um conhecimento informação; garantindo assim, planos de Intervenção Conscientes para alfabetização inicial, não basta classificá-las em isto ou aquilo e colocá-las em caixinhas; é preciso saber intervir.

 

Por fim, sabemos que alfabetizar e alfabetizar-se não são uma tarefa muito fácil, há muito que refletir sobre a alfabetização; cabe a cada alfabetizador buscar conhecimentos, estudos e principalmente estar avaliando o seu trabalho pedagógico em sala de aula, verificando assim se esta no caminho certo para avanços ou retomadas do processo.  Um ótimo ano letivo para todos os alfabetizadores de Santa Catarina.

Você está lendo - Opinião do Leitor

Login Form